Rins

Os , são duas glândulas de cor vermelha escura colocadas simetricamente nos lados da coluna vertebral, na região lombar. Medem 10 cm de largura e pesam cerca de 150 gr cada um. O peritônio, membrana serosa que cobre a superfície interior do abdômen, prende-os fortemente contra a parede abdominal.

A extremidade superior de cada rim é coberta por uma glândula endócrina, a glândula supra-renal. O sangue que vai se depurar passa pela artéria renal até os rins e sai pela veia renal, debaixo do envoltório granuloso formado pelos glóbulos glomérulos de Malpighi. Tais glomérulos são constituídos por capilares sangüíneos, arteriolas, e envoltos na cápsula de Bowman, que é uma bolsa que continua com o tubo urífero.

Cada rim contém dois milhões destes tubos, agrupados em feixes piramidais, são os que contém a urina, a qual passa a pélvis renal e daí aos ureteres, que são o conduto excretor do rim que comunica a pélvis com a bexiga. A bexiga tem um comprimento aproximado de uns 30cm e um diâmetro de 5mm. Nela se deposita a até o momento de sua expulsão ao exterior.

O rim serve como verdadeiro órgão depurador ou filtro do resto dos produtos de resíduos, provenientes das combustões respiratórias. Defecação, excreção, secreção. Os termos defecação, excreção e secreção podem ser confundidos.

A defecação se refere à eliminação, pelo orifício anal, de resíduos e elementos sem digerir que, em conjunto, se chamam fezes; o alimento ingerido que não tenha entrado em nenhuma célula do organismo nem tomado parte no metabolismo celular e que pelo mesmo não pode ser considerado como resíduo metabólico.

A excreção se refere à eliminação de substâncias que já não vão ser utilizadas no organismo e que procedem das células e da corrente sanguínea. A excreção de resíduos pelos rins representa um gasto de energia das células, em troca, o ato da defecação não requer este esforço por parte das que forram as paredes intestinais.

Leia Também