NQI e Cálculo Renal

Apesar de citado em alguns artigos de nosso site devido a sua alta eficácia para dissolver cálculos renais, este produto não se trata de um medicamento e sim de um suplemento alimentar.  e Cálculo Renal é boa combinação?

Pelas informações que obtivemos junto a empresa fabricante do NQI, o produto é comercializado apenas como um suplemento alimentar e o fabricante não deseja vincular sua imagem ao tratamento de cálculos renais, entendendo que o produto não se enquadra como medicamento e tem sido utilizado a muitos anos para diversas outras situações. 

Segundo o que podemos observar, apesar do produto ser um composto natural, classificado como suplemento alimentar, sua eficácia para impedir a formação de pedra nos e dissolver as pedras já existentes está comprovada através de acompanhamentos clínicos, análises laboratoriais e estudos científicos. 

Os fosfatos presentes no suplemento NQI revertem a polaridade da carga dos cristais de oxalato de cálcio, um dos componentes químicos do qual é feita a maioria das pedras renais, impedindo que se mantenham unidos ou que se aglomerem para formar novos cálculos. 

Esta combinação de fosfatos específicos ativa processos bioquímicos e devolve solubilidade a minerais precipitados no organismo. Também é possível encontrar diversos trabalhos científicos realizados em outros países que comprovam a eficácia do uso de alguns fosfatos no tratamento de cálculos renais. 

Apesar do tempo para dissolver as pedras, que normalmente variam entre 60 e 120 dias, pode-se dizer que os índices de eficácia passam de 90%. 

O suplemento NQI não possui bula devido a não ser um medicamento. Conforme já apontado em parágrafos anteriores, o fabricante comercializa o produto apenas como um suplemento alimentar voltado para o aumento da qualidade de vida. 

Exames mostrando um de 2,5cm antes e depois do uso do suplemento NQI:

exame inicial calculo renal antes do uso do nqi
Exame inicial: cálculo renal de 2,5cm
cálculo renal suplemento nqi
Após 300 dias de uso do NQI: sem cálculo renal

Mesmo com todos os acompanhamentos clínicos realizados pelos profissionais com os quais mantemos contato confirmando a alta eficácia do produto com relação a problemas de deposição de minerais, como é o caso da (cálculos renais), o produto continua classificado como suplemento nutricional.

IMPORTANTE: Existem diversas combinações de fosfatos existentes. Todas estas combinações acabam sendo chamadas de fósforo, porém, da mesma forma que algumas destas combinações são benéficas (podendo inclusive ser utilizadas na e no tratamento de doenças como é o caso do NQI), outras combinações de fosfatos podem ser inclusive tóxicas e causar danos a saúde, portanto, muito cuidado com a ingestão de produtos a base de fósforo manipulados em farmácias.

As análises laboratoriais realizadas com o suplemento demonstram que a combinação de fosfatos presentes em sua formulação eliminam os efeitos lesivos causados pelos sais insolúveis e pelos minerais depositados no organismo, pela solubilização do precipitado.

Nós da , entendemos que por eliminar o depósito de sais minerais nos rins e em qualquer outra parte do aparelho urinário, neutralizando a formação do cálculo renal () e dissolvendo as formações já existentes, atualmente o suplemento NQI é uma das melhores alternativas de tratamento para cálculos renais, principalmente pelo alto índice de eficácia e pelo fato de ser um produto natural, sem contra indicações ou efeitos colaterais.

AVISO LEGAL: Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações aqui acessadas. A CRORG não possui nenhum vínculo com o fabricante do produto NQI. Todas as informações contidas neste site, tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca do tema cálculo renal. Este artigo expressa tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores.

Algumas referências científicas:

Anderson JJB. Calcium, phosphorus, and human bone development. J Nutr. 1996;126:1153S–1158S.

Berner YN, Shike M. Consequences of phosphate imbalance. Ann Rev Nutr. 1988;8:121–148.

Block GA, Hulbert-Shearon TE, Levin NW, et al. Association of serum phosphorus and calcium x phosphate product with mortality risk in chronic hemodialysis patients: a national study. Am J Kidney Dis. 1998;31(4):607-617.

Breuer RI, LeBauer J. Caution in the use of phosphates in the treatment of severe hypercalcemia. J Clin Endocrinol Metab. 1967;27(5):695-698.

Carrasco R, Lovell DJ, Giannini EH, Henderson CJ, Huang B, Kramer S, et al. Biochemical markers of bone turnover associated with calcium supplementation in children with juvenile rheumatoid arthritis: results of a double-blind, placebo-controlled intervention trial. Arthritis Rheum. 2008 Dec;58(12):3932-40.

Dietary Guidelines for Americans 2005. Rockville, MD: US Dept of Health and Human Services and US Dept of Agriculture; 2005.

Ehrenpreis ED, Nogueras JJ, Botoman VA, et al. Serum electrolyte abnormalities secondary to Fleet’s Phospho-Soda colonoscopy prep. A review of three cases. Surg. Endosc. 1996;10(10):1022-1024.

Elliott P, Kesteloot H, Appel LJ, Dyer AR, Ueshima H, Chan Q, Brown IJ, Zhao L, Stamler J; INTERMAP Cooperative Research Group. Dietary phosphorus and blood pressure: international study of macro- and micro-nutrients and blood pressure. Hypertension. 2008 Mar;51(3):669-75. Erratum in: Hypertension. 2008 Apr;51(4):e32.

Fisher JN, Kitabchi AE. A randomized study of phosphate therapy in the treatment of diabetic ketoacidosis. J Clin Endocrinol Metab. 1983;57(1):177-180.

Heaney RP, Nordin BE. Calcium effects on phosphorus absorption: implications for the prevention and co-therapy of osteoporosis. J Am Coll Nutr. 2002;21(3):239-244.

Helikson MA, Parham WA, Tobias JD. Hypocalcemia and hyperphosphatemia after phosphate enema use in a child. J Pediatr Surg. 1997;32(8):1244-1246.

Kastenberg D, Chasen R, Choudhary C, et al. Efficacy and safety of sodium phosphate tablets compared with PEG solution in colon cleansing: two identically designed, randomized, controlled, parallel group, multicenter phase III trials. Gastrointest Endosc. 2001;54(6):705-713.

Matsumura M, Nakashima A, Tofuku Y. Electrolyte disorders following massive insulin overdose in a patient with type 2 diabetes. Intern Med. 2000;39(2):55-57.

Metz JA, Anderson JJB, Gallagher Jr PN. Intakes of calcium, phosphorus, and protein, and physical activity level are related to radial bone mass in young adult women. Am J Clin Nutr. 1993;58: 537–542.

Pinheiro MM, Schuch NJ, Genaro PS, Ciconelli RM, Ferraz MB, Martini LA. Nutrient intakes related to osteoporotic fractures in men and women–the Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Nutr J. 2009 Jan 29;8:6.

Villa ML, Packer E, Cheema M, et al. Effects of aluminum hydroxide on the parathyroid-vitamin D axis of postmenopausal women. J Clin Endocrinol Metab. 1991;73:1256–1261.

Yates AA, Schlicker SA, Suitor CW. Dietary reference intakes: the new basis for recommendations for calcium and related nutrients, B vitamins, and choline. J Am Dietetic Assn. 1998;98(6):699-706.

Leia Também